:)

quarta-feira, 15 de junho de 2016

De onde venho e para onde vou

No outro post fiz uma apresentação básica das minhas intenções, agora vou detalhar um pouquinho mais a minha situação.

Ainda não tenho 30 anos e não sou fã da modalidade celetista de trabalho. Brinco dizendo que "tenho alma de artista". O problema não é (só) me prender a horários e precisar pedir por favor por favorzinho para sair no horário do expediente e conseguir resolver problemas pessoais ou até ir ao médico, mas toda a coisa que envolve ser empregado.
Realmente não gosto do fato do horário ser inflexível. Gosto menos ainda de ficar ociosa durante o expediente porque o chefe não consegue delegar suas tarefas e nem me passar o necessário para dar continuidade ao meu trabalho.
O ambiente das empresas também não ajuda. Sou muito chata e convivo com poucas pessoas, só aquelas que passaram no meu crivo, pois não tenho interesse nem paciência em lidar com pessoas com ideias e posturas diferentes das que considero adequadas, e em um empresa isso não é possível. Sou obrigada a conviver com pessoas que nada tem a ver comigo além do endereço para bater ponto.

Esse ano concluo - finalmente - minha graduação, depois de ter abandonado duas faculdades. Comecei ambas por serem áreas que me interessam um pouco, mas no fundo nunca me vi trabalhando com aquilo, por isso acabei desistindo e deixando apenas como hobby.
A graduação atual foi algo que anteriormente não havia cogitado a sério, e a área de atuação não é exatamente promissora, porém sei que me ajudará muito na faculdade que realmente sempre quis cursar e ano que vem, finalmente, darei início.

Atualmente não estou empregada no modelo padrão e bem aceito pelo brasileiro mediano (oh que horror você não ter carteira assinada nem cumprir horários e nem deixar de ter vida para enriquecer outra pessoa!), me considero autônoma com uma vertente empreendedora. Minha renda vem de um mix de coisas que faço desde produção de conteúdo, vendas até estratégias administrativas.
Não vou dar muitos detalhes de nada (ao menos por enquanto) pois prefiro assim, mas por causa disso tenho uma grande flexibilidade de horário e autonomia, porém com o fato negativo da minha renda ser bem variável e muito aquém do esperado. Há meses em que lucro R$600 e meses que lucro R$2500 (líquidos), porém dificilmente passa disso. Claro que a culpa é minha, poderia me dedicar mais a quaisquer uma das áreas que me retornam financeiramente, mas meu foco atual é concluir essa graduação para iniciar a próxima (~fazer o que se ama~), mas enquanto isso, estou amadurecendo a ideia de empreender em um negócio próprio e físico, que é o que tenho buscado e estudado nos últimos tempos.
Um blog que me motivou muito e ajudou bastante a amadurecer essa ideia foi o Blog do Corey. A "ajuda" que ele dá nos posts é fantástica! Ele é muito verdadeiro e conta aquelas coisas que Sebrae nenhum ou empresário nenhum gostaria de falar. E como sou inexperiente, é o tipo de conteúdo mais importante que posso adquirir: a experiência de quem já passou por muita coisa.

Meus gastos fixos felizmente são baixos (por enquanto), pois moro com parentes. Mas infelizmente ainda tenho que coordenar as coisas por culpa do maldito cartão de crédito. Apesar de saber que ele não tem culpa nenhuma, já que a descontrolada sou eu, não me resta nada a não ser, literalmente, pagar o preço de ser cabeça de vento.

Assim que me livrar de algumas faturas feitas sem pensar, poderei aportar mensalmente de forma consistente, mesmo que valores ridículos se comparados à maioria dos outros investidores que acompanho.

;)

5 comentários:

  1. Como você consegue clientes?

    Não sei bem qual sua área de atuação, mas você pode divulgar seus serviços criando um site .com.br, uma página no Facebook, anunciando na OLX, Google Adwords...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Seu Madruga!

      Pois então, meus contatos todos vieram pela internet. Há alguns anos criei um blog por hobby e ele acabou se destacando e foi o que me abriu portas para trabalhar no que faço atualmente. Está meio abandonado, pois acabei enchendo o saco, mas pretendo voltar a atualizá-lo com frequência para com isso reativar o networking e também aumentar os ganhos com publicidade.

      Por isso citei a ojeriza da maioria das pessoas em não ter horário fixo e carteira assinada. A grande maioria acha que não faço nada, apenas fico perdendo tempo em frente ao computador (como se só existisse facebook na internet), mas dinheiro não aparece magicamente na conta bancária, não é mesmo? haha

      Excluir
  2. ~meu deus~
    a zuera é séria mesmo! o/

    ResponderExcluir
  3. Surfando pelos blogs de investimentos achei o seu! Que surpresa boa! Também sou mulher, com menos de 30 anos, tenho uma vida de freelancer (minha família acha que eu fico 12 horas na frente de um computador fazendo um grande nada, aliás) e estou engatinhando nos investimentos. Estou bem mais novinha, é verdade, por isso achei que você servirá como inspiração nessa saga! <3 Adorei seus artigos... Li todos em uma sentada. haha

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados. Não falte com educação :)