:)

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Começando pelo... começo!

Recentemente conheci dois blogs novos. E não apenas novos na blogosfera, são pessoas novas na caminhada da independência financeira.

A maioria das pessoas que começa um blog sobre finanças o faz depois de já ter um montante considerável acumulado, poucos são os que começam "do começo". Confesso que acho muito legal ver essa trajetória e vou deixar os links aqui para vocês acompanharem e também visitarem, pois quando a gente escreve é bacana saber que os outros leem =)

E também porque todo mundo começa com valores baixos e a trajetória deles vai mostrar que é possível "chegar lá" (onde quer que seja que você queira chegar, rs).

Seguem os links:

Mercador da B3 - https://mercadordab3.blogspot.com

Começando do 0 (ou dos 5k) - https://poupa-tudo.blogspot.com/

Quero me espelhar em ambos para manter a frequência de aportes, sou a que mais fala e pouco faz nesse universo, hahaha.

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Muitos anos

Atendendo a pedidos (um só, na verdade, hhaha), eis aqui mais uma sugestão de série incrível pra ser assistida.
Também da HBO.

Years and Years.

A série começa na atualidade e avança por um período de 15 anos. A sinopse básica é essa, conta 15 anos da história de um núcleo familiar, mas é muito mais que isso.
Fiquei impactada ao assistir, não consegui desgrudar da TV até assistir tudo e ainda vi quase tudo novamente no dia seguinte ao indicar para parentes.

Fala de grandes crises econômicas, da guerra comercial entre China e EUA, das mudanças tecnológicas cada vez mais rápidas e que deixam as grandes profissões obsoletas em pouco tempo, da falácia do "sou meu próprio patrão" ao trabalhar para aplicativos, da xenofobia latente e já não tão velada na Europa... é tudo muito sutil, mas está lá. Quem prestar atenção nas nuances do que é dito vai ficar chocado em como tudo isso é possível de acontecer.


O final achei meio descontextualizado com toda a mensagem que a série tenta passar o tempo inteiro, romantizado demais, mas mesmo assim vale a pena assistir. Levanta questionamentos pertinentes e como a conjuntura global, principalmente econômica, impacta diretamente na nossa vida, mas de maneira tão sutil que muitas vezes não percebemos como chegamos até aqui, desta maneira.

 E se você gostar de maratonar, é rapidinho, são 6 episódios de 1h cada.

Desde então acho que não assisti mais série alguma, muitas coisas aconteceram nos últimos tempos, mas aceito sugestões, já que essa também foi uma (excelente!) sugestão.

Em relação às finanças: continuo pobre, hahaha. Pensando em abandonar de vez a renda fixa, tá ruim demais.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Chernobyl


Assistam.

Normalmente já gosto das produções da HBO, mas essa minissérie está excelente!

Sabia muito pouco da história de Chernobyl e para quem gosta da temática ou desse tipo de seriado, é uma ótima recomendação.

Tem nada a ver com investimento, mas eu precisava compartilhar, hahaha.

Da HBO outras séries que adoro: The Sopranos (old but gold), Westworld, The Leftovers e, claro, Game of Thrones (porém confesso que não vi a última temporada).

E fica minha crítica ao serviço HBO Go: que plataforma lixo, aprendam a fazer streaming de qualidade com a Netflix.

Se tiverem indicações de seriados, adoraria lê-las!

P.S.: o número oficial de mortos pelo desastre do reator é 31. Isso resume bem toda a história.

quinta-feira, 18 de julho de 2019

Equilíbrio

Honestamente, do que você abdica para juntar dinheiro?
Vale a pena?

O que você deixa de fazer por ser "caro demais" e prefere guardar o dinheiro para o futuro, em vez de viver a experiência agora?

Quão bitolada você está na mentalidade da escassez e da economia?
Não está?

Tem conseguido equilibrar seus momentos de lazer e tranquilidade com seus aportes mensais?
Como é essa divisão na sua vida?
Tem regras? Limites? Um plano detalhado que deve ser seguido à risca?
E se, por um acaso do destino, não conseguir cumprir o planejamento, como se sente em relação a isso?

Venho trabalhando internamente isso há bastante tempo e acredito que, pouco a pouco, tenho sido efetiva em equilibrar as coisas.

Sim, é possível ter tudo, mas há de se ter paciência.



Voltei ao caminho da IF há poucos meses, este é o momento em que mais preciso de foco e dedicação, pois ainda não tenho a força dos juros compostos trabalhando a meu favor. Porém, de nada adianta ser absurdamente radical, a chance de descompensar no meio do trajeto é maior.

Há 2 anos tive uma grande quebra na minha vida. Tudo que eu tinha por certo, como rotineiro, foi por água abaixo e me vi sem chão. Foi terrível por um lado, mas excelente por outro. Apesar das minhas "certezas", havia muita acomodação. Era o costume que me prendia a uma rotina que eu já não gostava mais. Não me sentia feliz, acreditava que só seria feliz no futuro, ao atingir determinada quantia em R$, vivendo de tal maneira, em tal lugar etc.
Com essa ruptura, me vi obrigada a encarar todos os pontos da minha vida. Foi-me dada a oportunidade de começar de novo, de fazer diferente e sem amarras. Eu poderia seguir o caminho da lamentação (e confesso que segui, mas por uns 2 meses, apenas) ou criar vergonha na cara e tentar guiar o meu caminho, sem agir como vítima da vida.

Desde então, determinei itens essenciais para a manutenção da minha felicidade:

- morar em local que me faça bem (imóvel confortável, iluminado; ter um bom colchão - SIM, minha vida mudou depois que comprei uma cama nova, hahah);
- socializar regularmente com amigos (manter os laços ativos, nem que seja puxando papo pelo whatsapp de vez em quando);
- manter um hábito supérfluo que me satisfaça (pode ser gastar com um hobby ou com estética, o que gerar mais satisfação, mas, obviamente, de forma limitada).

O famigerado equilíbrio.

Se tudo vai mal, não há de onde tirarmos forças para melhorar, porém, se a base está coberta e saudável é muito mais fácil superarmos as vicissitudes.
Cuidarmos de nós mesmas é o principal. E não falo apenas do corpo físico, o mental e emocional são extremamente importantes, digo mais, eles que nos fazem fortes e dão a sustentação para atingirmos nossas metas.

"Manutenção da felicidade" parece piegas. E é, um pouco.
Além de fazer esses pequenos agrados que citei acima a mim mesma, nos momentos ruins me pergunto:
- Eu ESTOU infeliz ou eu SOU infeliz?
- Isto que está acontecendo é passageiro (spoiler: tudo é) ou justifica todo esse desgaste emocional que está me gerando?
- Há algo que eu possa fazer para mudar essa angústia/infelicidade?
Geralmente a resposta vem de maneira assertiva.

No atual estágio da minha vida, o que tenho são momentos de infelicidade, de incerteza. No balanço geral posso dizer que sou feliz, sim, dentro das limitações impostas pela rotina. O que não me agrada, sei que posso mudar e estou no caminho.

Manter as coisas em ordem é um trabalho diário e infindável, nem por isso enfadonho, acho até divertido, mas que não é fácil, não é mesmo.

E para você, quais as atitudes que ajudam a manter o equilíbrio?

terça-feira, 9 de julho de 2019

Atitude

Estou sempre dando uma passadinha nos "blogs amigos" e gosto de ler as postagens por ordem cronológica.

E não é por serem posts antigos que perdem seu valor, muito pelo contrário. Quando falamos de liberdade financeira - e não de números - os conceitos são atemporais.

Queria fazer uma paralelo entre dois diferentes textos que li.

"Hoje foi mais um daqueles sábados que iniciei cedo e não parei. É incrível como quanto mais nos movimentamos, mais a vida anda para frente e quanto mais preguiça temos, mais parados ficamos."
Esse é um trecho de uma postagem da Independência Financeira ou Morte.

E o outro é o post do Frugalidade Hacker, que questiona, basicamente, "o que você faria se não precisasse mais trabalhar para viver?".

Em um primeiro momento eles não parecem ter conexão alguma, mas a verdade é que estão intrinsecamente ligados.
IFM fala de atitudes, de manter-se em movimento. Pois é a busca por algo que faz o "algo" acontecer. Nunca ouvi história de alguém que obteve sucesso simplesmente por ter recebido tudo de mão beijada. Tudo - para todos - sempre precisa ser batalhado, de uma forma ou de outra.

FH fala de escolhas, planos, metas. Em outras palavras, também chama para o movimento, pois sabendo onde queremos chegar, tomamos as atitudes para percorrer o caminho.

Ando devaneando um pouco nas minhas postagens, mas a verdade é que consigo relacionar isso diretamente com a minha vida nos últimos anos.
Finalmente saí do campo de pensar demais, planejar à exaustão,  para, só então, dar a cara à tapa e tentar, tentar e tentar até conseguir. Afinal, a gente pode falhar inúmeras vezes, mas só precisa que dê certo uma única vez para seguir o caminho do sucesso.

Como disse um sábio pensador contemporâneo: o não você já tem, agora é correr atrás da humilhação.
brinks. hauahua

Vamos quebrar a cara e ter as expectativas frustradas diversas vezes ao longo da vida, mas ficar com medo das negativas e estagnada por medo de errar é muito pior do que não fazer nada.

Errando a gente aprende. E aprendendo fazemos melhor.

Tenho pra mim que a evolução patrimonial só começa a florescer a passos largos quando a evolução pessoal se dá em conjunto. E a sensação de crescimento é excelente. Olho pra trás e me orgulho de ter chegado onde cheguei... parece lugar nenhum, ao menos em termos financeiros, mas internamente... sou uma outra mulher. Uma mulher melhor.

E ver o progresso alheio também me fortalece. Compartilhem suas histórias, pois são elas que nos motivam a continuar.
Avancemos no caminho à Liberdade Financeira!